Medicina chinesa para o bem-estar de pets

Alexandra Niec

Esse tipo de terapia pode ajudar a solucionar uma série de complicações da saúde canina e felina e, ainda, aumentar a expectativa de vida destes animais. Na medicina chinesa existem vários relatos registrados de melhoras em caes e gatos afetados por uma série de problemas graves e bastante comuns, que incluem até mesmo os casos neurológicos.

Os problemas neurológicos em cães fazem parte de um grupo de complicações bastante difícil de resolver. No entanto, já pudemos observar melhoras consideráveis em cães com paralisia caudadas por questões neurológicas em apenas uma semana de tratamento com a acupuntura, e isso prova como a medicina chinesa pode ser benéfica.

A melhora costuma ser gradativa, principalmente em cães idosos; entretanto, em casos como os de AVC em cães (que costumam apresentar melhoras com o tempo, independentemente do tratamento realizado), já notamos que a acupuntura, o uso de fitoterápicos e a administração de dietas caseiras especiais podem acelerar o processo de recuperação de animais nessas condições.

Tendo a acupuntura, os fitoterápicos, a fisioterapia, as dietas caseiras da tradição chinesa e, até mesmo o uso de florais, entre seus destaques, essa medicina vem sendo cada vez mais usada na veterinária para melhorar aspectos bastante distintos podendo, ainda, ser uma boa opção para manter o conforto e o bem-estar de pets com doenças já sem chance de cura.

Além de auxiliar no tratamento de doenças neurológicas a medicina tradicional chinesa também podem ser poderosas no tratamento de doenças inflamatórias das mais diversas gravidades, como a toxoplasmose, a cinomose entre outras.

No entanto, o uso das ferramentas da medicina chinesa tradicional jamais deve substituir o uso de medicamentos alopáticos prescritos pela medicina veterinária para solucionar o problema o ideal é que ambas as técnicas e as medicinas sejam aproveitadas e combinadas, gerando os melhores e mais completos resultados possíveis. Embora haja casos em que a dose de remédios alopáticos possa ser diminuída em função do uso das técnicas chinesas, todo tipo de alteração deve ser indicado e supervisionado por um medico veterinário, evitando surpresas ou complicações.

Por: Alexandra Niec, Médica Vetetinária RMV/SC 5056
Veterinária da Clínica Bicho Mania

*Coluna ‘Cuidados com Pets’ publicada no jornal ‘O Celeiro’, Edição 1611 de 30 de Janeiro de 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui