Interligados

Não bastassem todas as doenças que existem no mundo surge mais uma para abalar a comunidade mundial: O Coronavírus. Os governos estão travando uma guerra contra um inimigo invisível, mas amedrontador que deu a volta ao mundo. Um vírus que atingiu não apenas a saúde humana, mas também a economia, a política, a educação e toda a rotina de vida das pessoas. Com origem na China o Coronavírus interligou a população de modo bem desagradável. Esse vírus promoveu uma interação nada espontânea que ultrapassou os limites geográficos. Podem até impedir os turistas de entrar, mesmo assim ele vai dar um jeito de chegar onde haja pessoas.

A preocupação com ele é importante afinal é um desconhecido invadindo e causando estragos. Porém, assim como nos ligamos aos outros através de uma pandemia, é possível também se conectar aos demais por meio dos sentimentos, empatia é um deles. Há uma parcela da população que, por se considerar fora do grupo de risco, acaba minimizando os riscos e desconsiderando as medidas de segurança e prevenção estabelecidas pelos órgãos de saúde.

De fato é possível que pessoas saudáveis sejam hospedeiras do vírus, mas não apresentem os sintomas. É um privilegio estar com o sistema imunológico saudável, porém há inúmeras outras pessoas que não desfrutam desse estado de saúde. Como protegê-las? A obrigação não é apenas do Poder Público, claro que é fundamental medidas preventivas para o bem coletivo, no entanto atitudes individuais é a maneira mais eficaz de promover a auto prevenção e o cuidados com quem está ao redor. Então, se você não está tão vulnerável pense nos demais. Mais perigoso do que apresentar o vírus é ser um vetor irresponsável da doença.

As medidas são claras: lave bem as mãos, evite lugares aglomerados, se apresentar os sintomas não saia de casa, não compartilhe objetos pessoas, não cumprimente com abraços e com beijos. Siga as instruções. Com quantas pessoas idosas, crianças e pessoas com doenças crônicas você convive ou esbarra diariamente? Seja responsável, consciente e empático com todos. Se preserve e preserve o outro. Que os sentimentos mais nobres nos conectem um ao outro.

Por: Priscila Nascimento,
Jornalista

*Editorial publicado no jornal ‘O Celeiro’, Edição 1618 de 19 de março de 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui