Políticas Públicas e o Agronegócio: Auxílio tem promovido sucesso das propriedades

Em épocas de crise os subsídios disponibilizados podem ser úteis para o desenvolvimento das propriedades.

Para prosperar no campo é preciso muito trabalho e investimento por parte do produtor, além de todo o esforço empreendido por parte dos proprietários, no decorrer dos anos as politicas públicas se tornaram essenciais para incentivar o agronegócio e torna-lo a grande potência que ele é hoje. A agricultura familiar, principalmente, se desenvolveu ainda mais com os subsídios disponíveis nas esferas estaduais e federais, permitindo a melhoria e os resultados alcançados que refletem na produtividade e rentabilidade de vida. O responsável pelas políticas públicas da Epagri, Robson Mondardo, reconhece o papel importante desenvolvido pelos recursos disponibilizados. “O leque de políticas públicas é o ponto principal da evolução da agricultura no estado, principalmente da agricultura familiar, sem elas não teríamos este avanço. Mas ela tem que ser bem utilizada para que possa trazer os resultados esperados, por isso é preciso orientação técnica”, afirmou Robson.

Através do fomento ao agronegócio é possível ajudar as famílias a permanecer no campo e dão motivação para que os jovens também continuem trabalhando nas propriedades evitando o êxodo rural. Com linhas de créditos a juros baixos muitos produtores conseguem realizar sonhos, construir e aumentar suas propriedades e investir em produção, conseguindo profissionalizar o trabalho familiar.

Com cotas limitadas o Estado de Santa Catarina liberou alguns programas e linhas de crédito voltados ao setor agropecuário. A Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Epagri) surge como um intermediário entre os produtores rurais não apenas por dar acesso aos programas, mas também por direcionar e acompanhar os produtores avaliando o que pode ser benéfico para sua propriedade.

Neste período de crise devido a estiagem o agronegócio tem sofrido há seis meses, e visando minimizar os efeitos da seca existem ações voltadas a captação e armazenamento de água, por exemplo foi lançado o programa Solo Saudável com objetivo a produção de plantas de cobertura. A Epagri está com foco na construção de cisternas para captação de água, pois o produtor ganha um pulmão para o reservatório de água. Para atuar na questão da estiagem, além das políticas públicas, há a proteção de fontes, e há a construção de cisternas porque tem um custo baixo e dá uma segurança maior ao produtor, pois é possível que ele consiga armazenar água na própria propriedade. Uma cisterna de 100 mil litros pode abastecer um rebanho de até 80 cabeças por 15 dias, conforme explicou o extensionista Maykol Ouriques, que também afirmou que mesmo com a estiagem é baixa a procura por cisternas. “O tempo de estiagem está se prolongando. Antes a estiagem não passava dos dois meses. Alguns optam por uma bomba irrigação, mas para isso é preciso uma cisterna para captação e armazenamento de água. Queremos fomentar o setor para iniciar obras de armazenamento de água”, completou.

Mas as intenções do produtor vão além dos problemas da estiagem, ele também vislumbra novos investimentos e melhoramento em sua propriedade. Para obter mais informações e orientação o produtor pode procurar o escritório da Epagri na região e conversar com um técnico e extensionista que avaliará a situação da propriedade e fará as devidas recomendações. “A ideia do produtor precisa de uma avaliação, pois, as vezes, a ideia dele pode não ser o que a propriedade precise. Após visita na propriedade, o extensionista vai listar o que precisa ser melhorado, se é preciso fazer o melhoramento de pastagem, ou se é fazer uma adubação, plantação de cultura de inverno, por exemplo. Com base nas necessidades encontradas veremos qual política pública disponível se encaixa a realidade dele. As políticas públicas são uma ferramenta de extensão aonde a gente vai avaliar a tecnologia que ele precisa, seus anseios, em qual ele terá menos juros e mais retorno”, explicou Maykol.

Com as mesmas taxas de juros do ano passado, as políticas públicas podem ser consultadas e analisadas diretamente no escritório da Epagri. O agendamento pode ser feito por telefone. Mas o jornal o Celeiro adiantou sobre alguns programas disponíveis.

Políticas Públicas disponíveis

1. Programa Terra Boa
São beneficiários todos os agricultores que se enquadram no Pronaf e outros produtores que invistam em melhoramento de pastagem. Limite de até 30 toneladas de calcário.

2. Programa Terra Boa – Kits Forrageiras
São beneficiários produtores rurais enquadrados no Pronaf e os demais produtores que possuam mais de 4 módulos fiscais os quais atendam aos critérios estabelecidos no Pronaf e que promovam em sua propriedade o melhoramento de paragem. O valor máximo é de até R$ 6 mil. Para jovens que fazem curso de empreendedorismo pela Epagri tem disponível o valor de até R$ 14 mil. Prazo de pagamento: 3 anos, vencimento da primeira parcela em 30 de maio de 2022. Pagamento em uma vez tem desconto.

3. Kit Solo Saudável
É um incentivo a aquisição de kits compostos por sementes de ao menos duas espécies ou cultivares de planta para adubação verde e insumos relativos a conservação de solo. Valor máximo de kits é de R$ 2 mil, poderá ser fragmentado em duas cotas de R$ 1 mil cada. Prazo de pagamento: 2 anos com vencimento da primeira parcela em 28 de fevereiro de 2021. Pagamento em uma só vez tem desconto ao produtor.

4. Programa de Fomento e Apoio a Negócios Rurais e Pesqueiros
São beneficiários que se enquadram nas normas do Pronaf e outros que estão iniciando ou retornando as atividades produtivas no meio rural, desde que a renda não ultrapasse os limites estabelecidos nas normas do Pronaf. Sendo a prioridade para captação, proteção e armazenamento e distribuição de água para consumo humano e animal. Limite de até R$ 30 mil. Prazo: 5 anos sem juros. Cotas limitadas.

5. Programa Menos Juros Agricultura e Pesca
Subsidio de juros de 2,5%para financiamentos contraídos nos agentes financeiros pelas linhas de crédito do Pronaf Investimento. Valor de até R$ 100 mil. Prazo de pagamento de até 8 anos.

> Linhas de apoio Estaduais:

Captação, proteção, armazenamento e distribuição de agua para consumo humano e animal; Investimento em energias renováveis; e Inovação e produção limpa e diversificação com vistas para produção orgânica.

> Linhas de apoio Regionais:
Pecuária (Leite e Carne) em sistemas de produção a base de pasto; Agregação de valor; Grãos, Horticultura.

*Reportagem publicada no jornal ‘O Celeiro’, Edição 1628 de 28 de Maio de 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui