Brechozeira, sim senhor!

Hello garotas, nós falamos na última semana dos ciclos da moda e de um modelo de consumo que vai e volta e para continuar neste assunto, nada melhor que falar das lojas que representam esta economia, os brechós.

Você provavelmente vai pensar em um brechó como uma pequena sala escura, com cheiro de mofo e cheia de roupas velhas né? Porém, este conceito está mais do que ultrapassado, pois eles não só são uma coisa “moderna” como são listados como o próximo modelo de economia para a moda. Pesquisas indicam que até 2025 teremos um número de brechós equivalente ao de lojas “normais” e isso vai muito de encontro com o conceito de moda sustentável, que prevê que o design da moda do futuro será voltado ao impacto da marca no mundo e não mais por tendências passageiras. Ou seja, o futuro é dos brechós!

E se você ficou animada com esta notícia, aqui vão algumas dicas para você garimpar peças incríveis. A primeira dica é abrir a mente, absorver o conceito de raridade das peças, da economia que esta compra vai gerar para você e do impacto positivo para a sociedade. Segundo você nem vai precisar a sala física, pois a maioria dos brechós hoje em dia são digitais, muito bem cuidados e mais moderninhos do que você pode imaginar. Terceiro, tenha em mente que garimpar é como perseguir um tesouro, ou seja, vá atrás de itens diferentes, acessórios, peças raras, jaquetas exóticas e é nesta busca que você pode abrir espaço no seu closet para peças nada óbvias. Mas claro, nos brechós também é o lugar perfeito para encontrar clássicos, como blazers, camisas bordadas e vestidos com modelagens elaboradas. Se este é um mundo cheio de possibilidades, e além de tudo com precinho camarada, a dica final é bem óbvia: experimente e solte sua criatividade!
PS: Os looks abaixo são de brechós da nossa região e você pode encontrá-los pelo nome que está em cada foto!

Por: Ana Kantovick

Contatos em redes sociais:
Instagram: @anakantovick
Facebook: Ana Kantovick
Site: anakantovick.wordpress.com – (49) 998238633

*Editorial publicado no jornal ‘O Celeiro’, Edição 1637 de 30 de julho de 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui