Adolescentes X Internet: Quais os riscos do uso imoderado e sem supervisão?

Benéfica ou maléfica? Ao mesmo tempo em que pode ser útil, a internet pode também causar prejuízos a adolescentes e criança. Pais precisam estar atentos.

Por anos a televisão funcionou como uma babá para pais e mães atarefados, atualmente este veiculo perdeu espaço para um muito mais interessante: os aparelhos eletrônicos conectados a internet. Com a internet a disposição abrimos um portal que nos leva para qualquer lugar. Porém, a internet pode ser uma faca de dois gumes, que de um lado abre portas para um mundo novo e cheio possibilidades de aprendizado e do outro apresenta um mundo obscuro e cheio de predadores.

Sobre o uso da internet e das redes socias a psicóloga Catiane Stefanes Santos falou que o uso das tecnologias pode ser um bom aliado no desenvolvimento dos jovens. “O uso da internet traz uma gama de benefícios. Quando bem usada é uma fonte inesgotável de pesquisa. Por meio dela podemos ampliar o conhecimento, cultura, e ver o mundo sem sair de casa. As redes sociais são formas de estar em contato com os amigos, ampliar rede de contato com pessoas que moram longe, divulgar conteúdos relevantes, fortalece os relacionamentos, aproximas as pessoas e proporciona a troca de ideias”, iniciou a psicóloga.

Por outro lado, há uma infinidade de perigos e possibilidades ruins encontrados na rede. Algo muito comum, quando não há a supervisão de pais, é a compra de produtos pela internet sem a autorização, além do risco dos jovens se tornarem dependes virtuais. Jogos eletrônicos e redes sociais estão entre os passatempos preferidos dos jovens, e com a pandemia instalada o uso dos aparelhos eletrônicos para este fim aumentou ainda mais. “Devido a pandemia muitos pais estão em home office. Para distrair os filhos, a internet é um recurso utilizado pelas famílias. Mas é preciso ter cuidado para que o uso não se torne um excesso. O indicado é que a criança não fique mais de 30 minutos em frente as telas. A criança e o adolescente precisam de uma rotina estabelecida com horário para estudar, fazer as tarefas escolares, ajudar em casa, brincar e ficar com a família”.

Os efeitos no comportamento dos jovens e os gastos que podem ocorrer são preocupantes e requer cuidado. Porém, existem um perigo maior quando a criança passa a ter contato com pessoas com intenções duvidosas. Nunca sabemos quem está por trás das redes sociais, e algumas vezes são adultos nocivos que querem tem por objetivo influenciar crianças e adolescentes negativamente. Recentemente a Policia Miliar e o Núcleo de Inteligência do Tribunal de Justiça de Santa Catarina divulgou um alerta sobre perfis nas redes socias de um individuo utilizando o nome Jonathan Galindo que traz conteúdo de terror e mensagens com conteúdos suicidas. Não é a primeira vez que fatos como estes surgem, há muitos perfis que incentivam brincadeiras perigosas, e já houve registros de casos em que adolescentes tiraram a própria vida. Os pais devem atentar para cuidar e proteger os filhos, por isso devem supervisioná-los ao usarem a internet.

A psicóloga Catiane Santos conversou com a redação do Jornal O Celeiro e destacou pontos importantes sobre o uso da internet entre adolescentes e crianças.

Confira a entrevista:

A exposição demasiada aos aparelhos eletrônicos pode levar ao vicio afetando o desenvolvimento escolar e social?

O uso prolongado nas redes sociais pode tornar o jovem um dependente virtual e cada vez ele vai sentir necessidade de passar mais tempo ligado a internet, seja com games ou nas redes sociais. Alguns sinais de dependência são o isolamento social e isolamento familiar, o jovem deixa de compartilhar momentos de convívio familiar, insônia por ficar horas na frente das telas, então o cérebro não descansa pois está sempre recebendo estímulos, também podem ter transtorno de ansiedade, mudanças de humor, queda no rendimento escolar. Não há convívio com pessoas reais, apenas com pessoas virtuais.

A criança está em processo de formação da personalidade então ainda não consegue decidir o que é bom e o que é mau, o que é verdadeiro e falso, por isso a família precisa estar atenta não apenas ao tempo que a criança utiliza na internet, mas também ao conteúdo que os filhos estão assistindo ou com quem estão interagindo nas redes sociais.

Quais são os principais riscos que a internet oferece?

Recentemente tivemos conhecimento de jogos onde jovens precisavam desempenhar varias tarefas, entre elas autolesão, sendo que a ultima delas era cometer suicídio e quem não o fizesse era ameaçado.

Que cuidados os pais podem ter?

O dialogo entre pais e filhos é o principal fator de proteção. É preciso orientar a criança e o adolescente sobre a segurança ao usar a internet, principalmente as redes sociais É preciso estabelecer o que eles estão autorizados a ver e acessar e o que não é adequado a idade. Eles precisam orientar para que os filhos não passem informações pessoais, não enviem fotos suas ou da família, não conversem com quem não conhecem. Devem falar sobre fraudes e golpes e sobre os impactos disso em suas vidas. Outra forma de proteção é restringir sites que sejam inadequados aos filhos e que eles não adicionem em suas redes pessoas que não sejam seus conhecidos.

*Reportagem publicada no jornal ‘O Celeiro’, Edição 1632 de 25 de junho de 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui