Quinta-feira , 19 Julho 2018
Home / Opinião / Colunistas / Camilo Dorneles / Sobre a Vigília Pascal

Sobre a Vigília Pascal

Camilo Dorneles

No último final de semana, nós cristãos comemoramos a Páscoa, acontecimento este em que se comemora a ressureição de Jesus Cristo. Mas perante isso, junto de minha companheira, tivemos vários momentos de reflexão devido a estes momentos que se propagaram a Paixão e morte do Nosso Senhor. Dentre uma encenação, filmes e leituras, despertou um interesse mútuo, em detalhes que poucas vezes nos tocamos e nos detemos em ouvir e agir, fazer e pôr em prática tais ensinamentos. Separei algumas situações, as quais me indaguei e fiz questão de frisar e refletir. Pois bem:

– Jesus lava os pés de seus discípulos: No livro de João 13, horas antes de sua morte Jesus lava os pés de seus discípulos, num ato de pureza e humildade. Jesus não tinha obrigação alguma em lavar os pés de seus discípulos, mas como líder, não se importou com sua posição, mostrando a seus seguidores que também lavassem os pés uns dos outros.

– A traição de Jesus: Judas entregou Jesus aos soldados romanos, por uma quantia de 30 moedas de pratas, com isso Jesus é levado e julgado pelas autoridades governantes, sendo que após esse ato, Judas se arrepende e se enforca, tirando a sua própria vida.

– Jesus perante às autoridades: Tanto com Pôncio Pilatos e do Rei Herodes, Jesus sofrendo abusos morais, calúnias, difamações e até mesmo sendo desafiado a provar seus feitos milagrosos, em momento algum se pôs sobre eles. Quieto, ouvia cada palavra, frase, provocação e não revidou muito, pelo contrário, ouviu em silêncio, respondendo apenas o necessário, de forma culta e pacífica.

– Qual quereis que vos solte? Barrabás ou Jesus, chamado Cristo? (Mateus 27:17) : Frase esta, que para mim é a mais impactante de toda a paixão de Cristo, Jesus Cristo, frente a frente com um delinquente marginal da cidade, sendo julgado pelo povo, quando Pôncio Pilatos se dirigiu ao povo com a condição de soltar um deles, o povo esbravejou e implorou que libertasse Barrabás. Fico numa dúvida nesta situação, sobre um velho ditado que se diz, “A voz do povo, é a voz de Deus!”, neste caso, nem sempre. Mas é minha opinião.

– Simão Cirineu ajuda Jesus a carregar a cruz: Diante daquela multidão, e Jesus padecendo após ser flagelado, num caminho longo ao Calvário, um homem chamado Simão Cirineu, voltando do trabalho, foi convocado por um soldado a ajudar Jesus a carregar a cruz, Simão aceitou o convite e ajudou a carregar o instrumento que hoje é digno de nossa salvação.

– ‘Eloi, Eloi, lamá sabactani’, ‘Meu Deus, por que me desamparaste?’: Essas foram algumas palavras de Cristo, antes de sua morte, aonde que numa dúvida recente, procurei esclarecer com um pároco amigo meu, da melhor forma possível, com suas palavras Pe. André Juliano me explica: “Jesus morre numa solidão total, todo mundo some, os discípulos fugiram, e o povo com sua zombaria ao se dirigir a ele, e sua invocação não deixa de ser um a expressão de confiança total. Jesus não deixa de confiar em seu pai, não duvida de sua existência, nem de seu poder para o salvá-lo”, isso nos deixa confiantes, e claro, jamais deixar de acreditar em Deus, que por mais forte que seja nossa dor, Deus está conosco, ao nosso lado, reservando a nós o melhor destino e o melhor lugar. Muito Grato Pe. André, sábias palavras e reflexões.

– Jesus Ressuscitou! : No terceiro dia após sua morte, Jesus ressuscita e sobe aos céus para junto de seu pai, nos mostrando que nem sempre é o fim, mas sim o início de tudo.

Esses são alguns fatores que a Paixão e morte de Cristo, me fez refletir como ser humano e como cristão, ser humilde assim como Jesus, sem me importar com posição social, cargo ou hierarquia, e sim me doar-se pelo próximo, pelo meu colega, pelo meu vizinho, pelo meu irmão. Desde as escrituras bíblicas já existia a propina, o dinheiro falou mais alto, mas nem sempre dinheiro é sinal de felicidade, dinheiro que vem de forma errada e injusta, tem seu valor alto. O real valor é a alegria estampada em nosso rosto e no nosso coração. Ter argumentos reais e verdadeiros, para poder debater, dialogar, expor nossas ideias e opiniões, sempre com humildade, e em muitas vezes o silêncio, responde a muitas perguntas. Nem sempre o melhor vence, nem sempre o que é o bom, o povo quer, nem sempre tua opinião agrada aos demais.

Sejamos um Cirineu e vamos colaborar e compartilhar da situação do próximo, ajudar a carregar a cruz de quem lhe pede ajuda, sem ao menos saber quem é, e de onde ele vem, jamais deixar de acreditar em Deus, e pôr em suas mãos nossas vidas e anseios, planos e objetivos, e recorrer e adorar sempre a ele, pois ele sabe de tudo, ele é o criador de tudo, não dar ouvidos as provocações e humilhações que o maligno tenta lhe impor, e sim focar em nosso pai.

Vamos juntos ressuscitar a cada dia, a cada amanhecer, a cada minuto, a cada hora vivida agradecer, orar, e assim como Jesus nos ensinou: “Amai-vos uns aos outros, assim como eu também vos amei”. João 15:9.

Por: Camilo Dorneles

Palestrantre Motivacional, Comunicador e Orador
[email protected]

*Coluna publicada no jornal “O Celeiro”, Edição 1523 de 05 de abril de 2018.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *