Segunda-feira , 28 Maio 2018
Home / Cotidiano / “Umas das piores negociações”

“Umas das piores negociações”

Presidente do Sindicampos diz que revisão salarial dos Servidores Públicos Municipais foi a pior dos últimos anos.

Ivo Moreira, Presidente do Sindicampos

Na manhã de Segunda-Feira (16), as negociações do reajuste salarial para os servidores públicos de Campos Novos foram concluídas. A reunião entre a diretoria e representantes do Sindicato dos Servidores Municipais de Campos Novos-SINDCAMPOS e a administração municipal, encerrou com a definição de aumento de 11% no vale alimentação e 2,68% na revisão salarial pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O prefeito Silvio Alexandre Zancanaro, enfatizou que mesmo o reajuste não tendo atingido o ganho real, não há prejuízos para o servidor, uma vez que a administração precisa ser consciente até que haja uma economia crescente no país, para que não tenham rombos na economia local no final do ano. “Conseguimos chegar nos R$ 300,00 o valor do vale alimentação para que o servidor tenha uma condição melhor, tendo uma prerrogativa no comércio local. Referente ao salário, neste ano não atingimos o ganho real, porém os nossos servidores não saem prejudicados, pois repassamos o índice do IPCA de 2,68%, acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC, que estava em 1,62%, sendo que nos dois anos de gestão o ganho real é positivo, acima da inflação. Com isso avançamos cada vez mais, pensando nas possibilidades que o nosso município venha despontar para que no futuro possamos dar outras contrapartidas aos servidores”, destaca Zancanaro.

O SINDICAMPOS apresentou à Administração Municipal uma proposta de 7% no reajuste salarial e R$ 300 no vale alimentação. O presidente do Sindicato afirma que o aumento do vale foi atendido, mas reajuste do salário não teve. “Ficou acertado o vale alimentação que foi atendido o pedido do Sindicato, vai ser pago R$ 300 reais já nesta folha de abril, mas aumento de salário nós não conseguimos, a Administração Municipal não quis aumentar o salário do servidor público, isso eu acho depois de 15 anos. Nós discutimos o aumento nas administrações passadas e com essa nesse ano foi a pior negociação que tivemos. Não tivemos aumento de salário, tivemos uma reposição da inflação. Eu acho que é uma obrigação da Administração Municipal corrigir a inflação, não é uma negociação do Sindicato, nós não concordamos com isso”, disse Ivo, observando que os servidores necessitam de ganho real e informando, ainda, que os servidores aposentados não tem direito ao vale alimentação, tendo apenas a reposição inflacionária. Conforme dados do Sindicampos, entre 2003 e 2017, os reajustes variaram entre 5,33 e 9%. Em 2017, a Administração Municipal concedeu 7% de reajuste salarial, com ganho real de 2.52%.

Conforme Ivo Moreira, na reunião de segunda-feira foi cobrado junto ao prefeito quanto ao número de contratações na prefeitura, prática que segundo o sindicalista foi adotada em todas as administrações. A arrecadação municipal com previsão de R$ 122 milhões em 2018, também foi citada por Ivo, que também comentou sobre o índice com folha de pagamento. “Esperar agora daqui um ano de novo e o prefeito vir com as mesmas desculpas, índice da folha com problema. Mas isso é um problema mesmo e que ele tem que resolver, ele que é o prefeito. Ele já estava sabendo ano passado que deu problema, ao menos tivesse diminuído a contratação”. Perguntado se há comprometimento com o índice da folha, o sindicalista respondeu. “Segundo informação da administração hoje está em 57% o índice, pegando os últimos 12 meses. Mas como eu falei é um problema da administração”.

Ivo Moreira confirmou ainda que o prefeito anunciou que irá estudar uma gratificação no final de ano aos servidores públicos municipais, no mesmo valor do vale alimentação. O presidente do Sindicampos se manifestou ainda sobre a proposta da apresentação de um plano de saúde, em torno de 60 dias, pela Administração Municipal. “O que eu coloquei para ele que não adianta pedir a uma empresa, no caso a Agemed, apresentar um plano de saúde. A prefeitura tem que contratar esse plano de saúde, o servidor tem que contribuir e a prefeitura também. Tem que adquirir esse plano de saúde o oferecer ao servidor público”. De acordo com Ivo, a Agemed já apresentou um plano de saúde ao sindicato, que foi levado no ano passado à Administração.

*Reportagem publicada no jornal “O Celeiro”, Edição 1525 de 19 de abril de 2018.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *